Jardins da Arara de Lear: uma mistura de fotografia, poesia e vivência

FOTOS: Mayana Xavier

JARDINS DA ARARA DE LEAR - Suas dimensões não se mantêm fixas nas palavras, trazendo os belíssimos registros do fotógrafo/autor João Rosa, com sua visão fontana rica em detalhes, que mostra, para quem ‘passa os olhos’ sobre o livro, a caatinga com todas suas cores, contrastes e personagens que vão para além das Araras. Gustavo Nolasco, traz a poesia palavriada rente as fotografias, dando outra sensação para quem lê e se enche de coisas sem nome, fazendo o sentir-se sertanejo só por ler, percebendo o que já foi dito por Guimarães Rosa: “ O sertão é dentro da gente…”.

 
O livro nasceu do sucesso do Projeto Jardins da Arara de Lear, fundado por Aliomar Almeida, em 2014, quando ele fez a sua primeira visita ao habitat da arara azul de lear, percebendo a progressão dessas aves e sua busca por alimento, com sua dieta dada através dos frutos da palmeira Licuri, de modo a enfatizar a necessidade de preservação das palmeiras Licuri e do respectivo bioma em que ocorre. Aliomar, ao retornar à sua cidade natal - São Paulo, para estudar o assunto, descobriu que a proteção do local, onde as araras nidificam, resultou no aumento da população dessa espécie, de 41 indivíduos, em 1978, para 1300 indivíduos, em 2015.
Tendo em vista os fatores antropocêntricos, o projeto segue orientação visando novos caminhos, para que haja uma harmonia entre as araras e o homem, trazendo também outro tipo de renda nas comunidades que vivem nas mesmas áreas de alimentação. Além disso, ressalta-se sempre a importância de preservar a espécie.
 
O Jardins da Arara tem como uma das iniciativas desenvolver trabalhos artesanais juntamente com os grupos de pessoas que residem na mesma área geográfica em que tem predominância das araras, trazendo uma concepção em que se teoriza e efetua a aproximação do sertanejo e o seu símbolo de resistência: Arara-azul-de-lear. O Projeto busca somar esforços aos diversos trabalhos de Conservação que vem sendo executados, especialmente aqueles inseridos no PAN (Plano de Ação Nacional) da Arara Azul de Lear (Anodorhynchus leari ) – CEMAVE/ICMBio da Fundação Biodiversitas, ECO e Fundação Livington, bem como desenvolver Projetos de Manutenção e Ampliação das Palmeiras Licuri (Syagrus coronata ) nas áreas de alimentação das Araras, com a participação da comunidade local; promover a capacitação de pessoas das comunidades locais em atividades sustentáveis de geração de renda que tenham à conservação como objetivo; promover parcerias com empresas e pessoas que adotam programas de responsabilidade socioambiental – conforme explana site da entidade.
Em 2018, terão início ações afirmativas para proteger o Licuri, e, para isso, será criado um meio de compensação financeira aos plantadores dessa palmeira, que auxiliarão o processo da conservação.
A ideia central do Jardins é buscar inserir num mapa conceitual todos os locais que as araras frequentemente se fazem presentes, sem divisão territorial. São, inclusive, cinco municípios envolvidos no trajeto dos deslocamentos das araras. E para dar segmento aos trabalhos, e, aceitar doações, inclusive, há uma associação composta por pessoas da região e de São Paulo, sediada na cidade de Canudos – BA. A entidade também possui uma loja física para divulgar o trabalho e comercializar o artesanato excedente, produzido nas comunidades.
 
O livro foi feito em conjunto com a Nitro, sua autoria é de João Marcos Rosa e Gustavo Nolasco. A história da descoberta das araras não tinha publicações além do que constava nos livros científicos embalsamada em termos técnicos, até o nascimento dessa obra literária. Um livro que chega a roçar na grandiosa beleza desse pássaro azul, ave endêmica do sertão. Sem a pretensão de inserir spoirler’s, entrego para você, leitor, a seguinte citação: “ Sob os pés, o cinza da caatinga seca. Sobre a cabeça, o amarelo fervido do sol escaldante. No meio, o azul da arara sertaneja”. As imagens trazidas ao longo das narrativas, fogem de qualquer crítica desfavorável e insere-se em imensitude poética, trazendo personagens reais, permeando emoções indescritíveis, dando profundidade sobre ser-tão arara-azul-de-lear.  No mais, a palavra de ordem: Agradecimento. O Sertão e sua grandeza, tão bem explicitadas, se solidificam nas páginas de “JARDINS DA ARARA DE LEAR”. 
 
João Marcos Rosa, de Belo Horizonte/MG. Fotógrafo e jornalista, colaborador da National Geographic Brasil.  Membro da NITRO, é autor dos livros Harpia (2010) e Arara-azul Carajás (2015), também é coautor e coordenador editorial de diversas obras ligadas à conservação ambiental. Define-se amante do sertão nordestino.  
 
Gustavo Nolasco, de Mariana/MG. Escritor e roteirista, é membro da Academia Marianense de Letras. É coautor dos livros Nossa sala de troféus (2016) e Os Chicos (2012), vencedor do Prêmio Jabuti. Jornalista formado pela PUC Minas, trabalhou em diversos jornais e criou outros dois: A Semana e A Sirene. Membro da NITRO, é autor de diversos projetos culturais, como Moradores - A Humanidade do Patrimônio Histórico. Tem no coração um compêndio caatingueiro.
  
O livro Jardim da Arara de Lear foi lançado oficialmente nesta quinta-feira (05), na Casa da Cultura de Euclides da Cunha, onde o público pôde compreender um pouco da obra literária e do projeto envolvido.
Abaixo, links para que você possa conhecer mais o projeto e até seguir as publicações na rede social Facebook: 
https://www.facebook.com/www.araradelear.com.br/
 
https://araradelear.facileme.com.br/ 
 
https://araradelear.com.br 
 

Publicado em: http://www.euclidesdacunha.comnews/print/id/2163